Cinco informações sobre o seu negócio que o Facebook pode te dar

Dentro das inúmeras possibilidades de promover a sua empresa através do universo digital, existem alguns fatores que podem impulsionar nossos resultados. Já sabemos que é preciso conhecer o público para o qual estamos falando, e mais ainda, o produto que estamos ofertando. Mas para trabalhar seu produto dentro do marketing digital, ou no Facebook especificamente, existem algumas informações que você deve saber na hora de analisar informações para o seu negócio.

Quando trabalhamos com uma página no Facebook, o engajamento é a nossa palavra chave.  Para facilitar o alcance dos nossos objetivos na rede social, existe a ferramenta “Facebook Insights”, ou “Estatísticas”, é uma forte aliada na mensuração de e, como consequência, na melhoria deles. Conheça cinto métricas fundamentais para sua análise de resultados:

1 – Vídeos

Este é o conteúdo que está crescendo cada vez mais na plataforma. A ferramente “Insights” nos confirma essa afirmação, ela nos disponibiliza dois importantes gráficos para análise:

Visualizações do vídeo: que mostra quantas vezes os vídeos foram vistos por 3 segundos ou mais, em um dado intervalo.
Visualizações de 30 segundos: nos mostra quantas vezes os vídeos foram assistidos por 30 segundos ou mais, em um determinado período de tempo.

Ambos os índices de alcance estão divididos entre “orgânico” e “pago”.

2 – Visitas

O gráfico das “Visitas à Página e guias”, revela um detalhamento de cada uma das guias que foram visitadas dentro da sua fan page.  É possível analisar de diferentes maneiras, o que acontece em cada uma das guias que estão divididas por:

  • Linha do tempo
  • Guia Curtidas
  • Guia Fotos
  • Guia Informações
  • Guia Vídeos

Outra métrica possível de se mensurar aqui é a das “Referências externas” que correspondem às visitas que a página recebeu a partir de site externos ao Facebook.

3- Dashboard

Aqui você consegue obter uma visão geral dos principais dados da página, divididos em três campos.

3.1-Total de opções Curtir: generalista, mensura o crescimento comparando as curtidas da semana com relação à semana anterior.

3.2– Alcance da publicação: se divide em dois “Alcance total” e “Alcance da publicação”, o primeiro indica a quantidade de pessoas que viram qualquer coisa relacionada à empresa, e o segundo diz respeito às pessoas que tiveram acesso às postagens feitas pela própria empresa.

3.3– Envolvimento: quantas pessoas interagiram com a página. Isto é, quantas publicaram no mural, curtiram, comentaram, compartilharam, ou apenas clicaram nas publicações da página.

4- Curtidas

Aqui você pode analisar todas as curtidas a partir dos diferentes pontos no facebook insights. Seja através do “total líquido de curtidas”, ou mais especificamente, “onde as curtidas ocorreram dentro da página”, “curtidas pagas”, ou “curtidas falsas”. Tudo isso é possível mensurar através das estatísticas. Porém, para esta métrica é importante saber que por mais visada que possa parecer, ela não representa um dado relevante, já que este número dificilmente vai cair caso a o alcance da página diminua.

5- Alcance

Uma das métricas mais importantes para perceber o desempenho ao longo do tempo. Os índices mostram quantas pessoas visualizaram as publicações feitas pela página, no feed de notícias ou dentro da Fan Page. Neste tópico existem três gráficos para análise, mostram por partes o total de: “Curtidas, Comentários e Compartilhamentos”, “Ocultar, denunciar como spam, e descurtidas”, e o “Alcance total”.

Lista de empresas mais inovadoras de 2017

Ano após ano é lançada uma lista que apresenta as 50 empresas mais inovadoras do planeta.

Elaborada pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussets), seleção de 2017 foi lançada recentemente.

Veja abaixo a lista completa:

 

As 50 empresas mais inovadoras do mundo em 2017

1. Nvidia

Ranking das 50 empresas mais inovadoras do mundo em 2017, por MIT

Essa é a número 1, segundo a seleção do MIT.

Famosa por produzir as melhores placas de vídeos (principalmente para games), a empresa não se limita apenas a esse mercado. Hoje também tem foco em inteligência artificial e carros.

O comércio de nuvem também registra ascensão em seus relatórios. Os Chips aceleradores de processos também são produtos fortes no meio de tudo o que a NVidia oferece.

Resumindo: embora ela esteja hoje muito no imaginário do mercado de jogos, hoje a NVidia é uma indústria de máquinas inteligentes.

2. SpaceX

Ranking das 50 empresas mais inovadoras do mundo em 2017, por MIT

SpaceX está no ranking desde 2011

Se tem  um cara que eu admiro demaaais, é esse tal de Elon Musk. A SpaceX é um dos “pequenos projetos” do rapaz, e dessa vez sua meta é viabilizar a colonização de MARTE! Sim! M-A-R-T-E!

O foco dele é resolver esse desafio auxiliando no transporte. E aí? Você toparia uma carona no “foguetinho do Musk”?

3. Amazon

Ranking das 50 empresas mais inovadoras do mundo em 2017, por MIT

A loja inteligente Amazon Go é um dos destaques da empresa em 2017

Amazon não para de criar novas maneiras de atrair consumidores. Protagonizada pela Alexa, a aposta da empresa em IA é cada vez mais alta. O investimento na Alexa já se reverteu em 12 mil programas publicados para a assistente. O Amazon Echo recebeu mais dois modelos, sendo um com tela. Outra novidade é primeira a Amazon Go, loja em Seattle com somente 167 m², em que o cliente só precisa pegar os produtos e ir embora, sem filas e caixas. Através de IA, sensores e câmeras, a loja identifica o que você pegou e automaticamente coloca num “carrinho virtual”, a confirmação final ocorre pelo celular. Inteligente e complexo por dentro, extremamente fácil por fora.

4. 23andMe

5. Alphabet

6. iFlytek

7. Kite Pharma

8. Tencent

9. Regeneron

10. Spark Therapeutics

11. Face ++

12. First Solar

13. Intel

14. Quanergy Systems

15. Vestas Wind Systems

16. Apple

17. Merck

18. Carbon

19. Desktop Metal

20. Ionis Pharmaceuticals

21. Gamalon

22. llumina

23. Facebook

24. Udacity

25. DJI

26. MercadoLibre

27. Microsoft

28. Rigetti Computing

29. Kindred AI

30. Sophia Genetics

31. Tesla

32. Oxford Nanopore

33. Foxconn

34. M-KOPA

35. ForAllSecure

36. Flipkart

37. Bluebird Bio

38. Adidas

39. IBM

40. General Electric

41. Alibaba

42. HTC

43. Blue Prism

44. Jumia (Africa Internet Group)

45. Veritas Genetics

46. Daimler

47. Salesforce

48. Snap

49. Ant Financial

50. Baidu

Mães podem encontrar novo caminho profissional com marketing digital

A emancipação profissional materna e o mercado digital

Desde que a humanidade condicionou a chegada de uma nova pessoa, inevitavelmente, à geração e desenvolvimento intra útero feminino, fez-se na terra um problema que nunca foi superado: a vida de uma mulher pára a cada vez que um ser-humano novo resolve vir ao mundo! Assim, não restando muitas opções, a mulher faz uma pausa em sua vida, no imediato que a pessoa salta para o lado de fora do corpo dela. Pode ser até mesmo um pouco antes, já que é grande a quantidade de incômodos que o final da gestação traz, mas geralmente ela pára, dá a luz e começa a sua saga materna, que de maneira bastante intensa (proporcional à uma jornada dupla ou tripla de trabalho), deve durar mais ou menos quatro anos.

Depois, o novo ser vai se tornando uma pessoazinha, e a vida vai voltando ao que poderíamos chamar de “normal”, talvez. Claro que não significa dizer que esta mulher não vai mais ter que dedicar tempo para o ser, mas a partir de então a jornada pode passar a ser de quatro horas por dia, já que aos quatro anos espera-se inclusive que a pessoa durma uma noite inteira, por exemplo.

Como cuidar dos "filhotes" e garantir a emancipação profissional materna?

O tempo da mãe e a lei do trabalho

Esta dedicação intensa transforma substancialmente a vida de todas as mulheres, e uma das questões que mais se chocam neste momento está relacionada à sua atuação profissional. Definitivamente, não sobra tempo!

No sistema de trabalho brasileiro, as profissionais com carteira assinada têm direito à quatro meses de afastamento dentro do chamado “auxílio maternidade”. Essa característica da lei brasileira explicita melhor que nenhuma, o fato da nossa constituição ser elaborada estritamente por homens, mesmo quando a lei é aplicada unicamente para as mulheres. A mulher, aos quatro meses de vida da sua cria, é obrigada a voltar ao trabalho sob a condição de exoneração. Ela sai de casa deixando para trás o sentido de sua vida, e este sem dúvida é o primeiro grande trauma de separação destes dois seres que nunca se afastaram.

Marketing digital pode ser uma alternativa para mães que querem trabalhar e ter tempo de qualidade

O sentimento da mãe

Apesar de estar tão junto de alguém, algo inegável no puerpério (fase de resguardo, reconhecimento do bebê, primeiros dois meses) é a solidão que esta mulher vive. Solidão esta que adaptada aos novos tempos, onde todos os intervalos da vida estão conectados ao mundo virtual através dos smartphones, se converteu em tempo disponível à navegação. Haja vista para os blogs e grupos de interação materna e suas madrugadas tão povoadas. As longas horas de amamentação dos primeiros meses na era mobile, se tornaram bons espaços para trocas, pesquisas, escritas e até mesmo para desenvolver trabalhos que permitam essa flexibilização do tempo.

Para muitas mães, o maior incômodo da maternidade não está relacionada à dedicação excessiva ao filho, mas sim à sociedade e às limitações que esta coloca para a aceitação de uma mulher-mãe no mercado de trabalho, principalmente. É difícil enxergar o respeito à dignidade da pessoa humana, quando a mulher perde oportunidades profissionais pelo fato de ter uma criança. E neste sentido, o que as mães mais almejam alcançar dentro da sociedade, chama-se independência profissional.

Ser mãe e trabalhar ao mesmo tempo: um desafio grande

Uma possível saída profissional

O trabalho com as redes sociais, marketing digital ou mídias sociais, num sentido geral se configura em um formato que tende enormemente a contemplar esta necessidade.

Atender empresas atualizando seus perfis de Instagram, Facebook, Youtube e afins pode ser um formato interessante que oferece flexibilidade e a nossa necessidade de cumprir um papel profissional com significado. Com o aumento da demanda pelo “marketing de conteúdo”, empresas de todos os portes mantém blogs e, consequentemente, necessitam de profissionais aptas a produzirem posts, com bons textos e estratégia de conteúdo. Da mesma maneira, atualmente, existe um vasto mercado digital que oferece alternativas de monetização, como ser afiliados de sistemas como Hotmart, Lomadee, Adsense, dentre outros.

Precisamos ir além. Buscar fazer das ferramentas que temos, aliadas ao tempo que nos sobra (que apesar de quase nada programável, ainda existe), o impulso que precisamos para nos libertar cada vez mais das amarras da cultura do emprego.

Convivendo em grupos (madrugadeiros) de tantas mães, uma certeza se alcança: são mulheres fortes, dedicadas, que não tem “tempo ruim”, modernas, descontraídas. Espaços onde se observa muito humor inteligente aliado à excelente escrita. As possibilidades estão mais próximas do que imaginamos, e muitas mães já descobriram.

 

Você é mãe e cogita entrar no mercado da comunicação e do marketing digital? Conte comigo para entender as necessidades práticas, técnicas e estratégicas dessa profissão ;) Entre em contato, caso interesse em saber mais! -> raquel@Lhama.me

Mercado de trabalho digital pode ser uma alternativa para mães que querem ter tempo com os filhos

<3 texto de Karina Marçal, mãe e jornalista, escrito para o Blog RaquelCamargo.com <3 

 

 

Gestão de carreira: Comunicação e marketing digital

Até quando sua inovação operacional será desejada?
Vale a pena esperar a maré do mercado virar?
Você vai esperar o “fim” ou pode criar o seu futuro profissional?
O que fazer para não se tornar obsoleto?
Esse é um convite para um bate-papo a partir das perguntas acima. Aprenda mais e descubra mais sobre gestão de carreira para profissionais que, atualmente, estão no auge da inovação.

 

 

gestão de carreira comunicação e marketing digital

 

Design Thinking para Comunicação e Marketing Digital

Você sabia que design thinking combina (e muito) com todos os processos de comunicação e marketing digital?

Desde o planejamento até a criação de textos, imagens e o momento das estratégias de segmentação de anúncios: dá pra colocar o usuário no centro dos processos, trazer empatia e inovar nessa hora.

Quer aprender a colocar isso em prática? Fica a dica para a nossa terceira turma do curso de Design Thinking para Comunicação e Marketing digital.

Não precisa ter conhecimento prévio sobre os assuntos, pode ser empreendedor, profissional ou um mero curioso sobre o assunto. Todos são bem vindos e a metodologia e didática serão válidas para todos os públicos.

Clique aqui para se inscrever. Vagas limitadas ;)

Que tal colocar INOVAÇÃO, COLABORAÇÃO E EMPATIA no seu processo de Planejamento de Comunicação e Marketing Digital?

Conteúdo programático

  • O que é design Thinking
  • Práticas, tipos e estratégias de inovação
  • Pensamento voltado para quebra de paradigmas
  • Empatia
  • Imersão
  • Propósito do negócio
  • Persona
  • Empatia
  • Jornada do cliente
  • Ideação
  • Brainstorm
  • Técnicas de inovação 
  • Prototipação
O evento acontecerá no MGTI, no aconchegante café do Terceiro andar :) Avenida Afonso Pena, 4000, Belo Horizonte.
 
O café irá vender lanchinhos para que vocês mantenham as energias e o estômago em harmonia :)
Saiba como foi a última turma:
 

Inteligência artificial aplicada a negócios: tecnologia desenvolvida na UFMG transforma-se em realidade

Na abordagem tradicional, os computadores operam a partir de algoritmos que detalham passo a passo todas as etapas que a máquina deve executar. Dessa forma, o computador consegue resolver problemas específicos a partir de instruções precisas. Existem, porém, problemas para os quais nós não conseguimos detalhar um passo a passo da solução – exemplo clássico é o reconhecimento de imagens. Para esses casos, é aplicado o Aprendizado de Máquina (do inglês, Machine Learning), uma subárea da Inteligência Artificial: a partir de exemplos de problemas com solução conhecida, o computador é capaz de aprender a resolver um novo problema de forma semelhante ao ser humano.

Na prática, a tecnologia pode ser aplicada para fins muito diversos, e um exemplo são os carros autônomos – veículos capazes de se locomoverem sem motorista. “Antes, imaginávamos que seria necessário instalar sensores nas vias para que o carro pudesse se guiar. Mas a tecnologia que está em funcionamento hoje usa justamente o Aprendizado de Máquina, “ensinando” o veículo a dirigir através de gravações que registram a forma como pessoas dirigem nas mais diversas situações – chuva, neve, avenidas movimentadas”, esclarece Juliano Viana, CTO da Kunumi. Essa nova prática de Aprendizado de Máquina, que se utiliza das chamadas redes neurais para fazer com que a máquina “aprenda”, é conhecida como aprendizado profundo (do inglês, Deep Learning), e é uma das principais especialidades da empresa, que conta hoje com engenheiros mundialmente renomados nessa área.

Dispondo de arranjos institucionais diferenciados, a Kunumi, fundada em 2016, conta com a expertise de pesquisadores que trabalham há muito tempo na área de Aprendizado e Máquina e Inteligência Artificial. “Queremos ser proponentes nessa discussão, e não vítimas dela”, explica Alberto Colares, CEO da empresa, sediada no Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC).

Insight automatizado

Atuando na área de tecnologia voltada para tratamento da informação, Alberto conta que, ao longo da última década, a comunidade científica trabalhou muito voltada para o armazenamento de dados – o que gerou a grande tendência conhecida hoje como Big Data. A ideia era que, em algum momento, esse grande volume de dados estocados poderia ser convertido em informação, a partir do ganho de perspectiva histórica.

O volume e a complexidade de dados gerados se tornou tão grande que é impossível, para profissionais, criar um padrão claro para obter respostas. Foi necessário, portanto, desenvolver uma tecnologia capaz de automatizar insight, algo tipicamente humano.

A partir da análise de um grande volume de dados disponíveis, a plataforma desenvolvida pela Kunumi é capaz de mapear padrões invisíveis anteriormente aos olhos humanos e responder perguntas complexas, melhorando a performance em diversas áreas dentro da indústria, empresa ou mesmo instituições governamentais.

Identificando padrões, esses dados são capazes de realizar uma análise preditiva. “Mais que organizar dados, o nosso sistema é capaz de aprender e sugerir ações, considerando variáveis como o perfil de determinado cliente, prevendo comportamentos, detectando anomalias e fraudes”, explica Juliano. Os produtos já estão em fase de desenvolvimento, voltados para instituições financeiras, hospitais, indústrias e governos.

Linguagem natural

Com interesse descomplicar a interação com a tecnologia, outra aposta da empresa é que a plataforma seja capaz de interagir com seres humanos usando de uma linguagem natural – outra possibilidade viabilizada pelo Aprendizado Profundo. “A ideia é que interagindo com a plataforma, por voz ou por texto, as pessoas possam, de certa forma, conversar com a sua empresa, saber como vai a sua saúde financeira, a satisfação de seus clientes. Tudo isso em um papo contínuo, eficaz e prazeroso”, completa Alberto.

Um Modelo de Negócio Inovador

A Kunumi foi criada a partir da transferência de know-how obtido através de resultados de pesquisa desenvolvida dentro da UFMG. A universidade participa do negócio como sócia na forma de usufruto de ações, tendo os mesmos direitos que qualquer acionista, mas sem direito a voto. “É um arranjo que beneficia ambas as partes. Enquanto a Kunumi tem acesso a laboratórios e pesquisadores de ponta – fundamental para o desenvolvimento de tecnologias disruptivas, a UFMG recebe benefícios do trabalho que comercializamos” explica o professor Nívio Ziviani, Presidente do Conselho de Tecnologia e Membro do Conselho de Administração da empresa.

Este modelo de negócio, embora seja muito comum em universidades de destaque como o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e a Universidade de Stanford, ainda é incipiente no Brasil. “É importante que a pesquisa e desenvolvimento trabalhe em temas inovadores, que sejam de interesse tanto da universidade quanto da empresa. A Kunumi pode proporcionar para os laboratórios da UFMG dados do mundo real que dificilmente poderiam ser obtidos pela instituição. Em troca, temos acesso a conhecimento que permite que possamos competir com os maiores players do mercado internacional”, completa Ziviani.

 

profissões do futuro

Quais são as profissões do futuro?

Se eu perguntar qual profissão vai estar em alta em pleno 2030, você consegue dar pelo menos um palpite? De acordo com uma pesquisa britânica, o papo futurista está bem perto da nossa realista.

Claro que até lá os robôs já vão ser parte da nossa rotina e também é fato que eles vão mudar significativamente nossos mercados de trabalho, todavia isso não significa que vamos ficar totalmente obsoletos. O grande fato é que nossas profissões serão totalmente ressignificadas!

Consultor de robôs, fabricante de partes do corpo, arqueólogo digital e policial climático são algumas da profissões do futuro.

Os estrategistas em prospecção do Canadian Scholarship Trust Plan (CST) criaram uma lista em que descrevem como serão os empregos que você irá encontrar disponível no mercado daqui a mais de 15 anos. Com a tecnologia mudando toda nossa realidade como está sendo, podemos ter uma ideia do quão fascinante serão nossas carreiras em questão de décadas. E se um dia seu filho te disser que quer ser um Especialista em Simplicidade quando crescer? E se você namorar um fabricante de orelhas?

Fiz um vídeo falando dessas tendências. Descubra quais são as profissões do futuro! :) Dá o play aí e entenda o que vem pela frente! :)

Uma startup que ajuda brasileiros a encontrarem trabalho no Canadá

Descobri esses dias a existência da VanHack, uma startup que surgiu com objetivo de facilitar a vida dos brasileiros que têm o sonho de ir vivr no Canadá mas sabem o abacaxi enorme que é conseguir visto de trabalho e todos os outros desafios que existem.

Além de vídeos com várias instruções sobre o assunto, a Vanhack também criou uma forma inovadora para ajudar os brasileiros interessados. Através de um Hackathon ela propõe um novo conceito na hora de conectar empresas de lá com profissionais daqui. Fica a dica, minha gente :)

Com o objetivo de aquecer a economia e promover a imigração de profissionais para o Canadá, a VanHack, empresa canadense que ajuda brasileiros a trabalhar no mercado digital do país da América do Norte, promove a VanHackathon, um hackathon completamente virtual, nos dias 20, 21 e 22 de maio, para conectar novos talentos a empresas do país.

Esse hackathon, que será voltada para profissionais formados em design e programadores de TI que possuem a intenção de trabalhar no Canadá e seguir uma carreira promissora no país, reunirá aproximadamente 20 empresas que estarão em busca de pessoas com essas habilidades para fazer parte da equipe.

O evento custará CAD$ 10 para profissionais participarem dessa interação, e poder ter acesso a cursos, consulta profissional pelo LinkedIn, Webinars e vídeos semanais no site. Quem optar pelo pacote premium, além dessas facilidades, terá acesso à equipe de profissionais da empresa para auxiliar na capacitação e ingresso no mercado de trabalho canadense, suporte na criação do currículo, 2 horas de prática de entrevista em inglês, apresentações e vídeos exclusivos feitos pela equipe VanHack.

“Nosso objetivo é buscar novos talentos e auxiliar pessoas que querem trabalhar no Canadá, mas não encontram oportunidade ou para aqueles que acham que essa é uma realidade muito distante. Queremos quebrar barreiras físicas, promover troca de experiências e possibilitar o aumento do círculo de networking entre as duas partes envolvidas”, afirma Ilya Brotzky, CEO da VanHack.   

Os profissionais de tecnologia que forem contratados poderão contar com um salário mensal de aproximadamente CAD$ 6 mil, que representa em torno de R$ 18 mil. Já os de design receberão em torno de CAD$ 4 mil. Também existe a possibilidade de ganhar emprego remoto e ganhar em dólar, melhorar seu inglês e aumentar seu network international.

Devido a atual situação financeira e política do Brasil, nos últimos anos houve um aumento expressivo no número de pessoas interessadas em trabalhar fora do país. De acordo com a Receita Federal e o Fisco, o número de declarações de emigração qualificada aumentou em 67% de 2011 para 2015. Em 2011, a Receita recebeu em torno de 8 mil declarações, em média 21 para cada dia do ano. Já em 2015, foram 13 mil, com uma média diária de 36.

“Queremos aproveitar que o Brasil é um país que possui profissionais altamente qualificados e ideias inovadoras, mas na maioria das vezes não existe oportunidade para todos eles. Em contrapartida, o Canadá possui muito mercado, mas há pouca mão de obra. Por isso, queremos oferecer trabalhos a essas pessoas e movimentar os setores de design e TI no país”, reforça Brotzky.

O VanHackathon será em inglês, então é uma ótima oportunidade de prática seu inglês e mostrar suas habilidades para empresas canadenses. As inscrições podem ser feitas pelo nesse link.   

Quem anima participar? :)

 

Experiência para hackear a educação - Uma nova experiência em Belo Horizonte

Manifesto Mesha Lab

Aqui não tem grupo fechado, não tem fórmula pronta e nem verdades absolutas. Mas tem coragem, audácia, inovação, um plano pra testar novas possibilidades e tem você.

Tempos difíceis desafiam a criatividade e nos provocam a pensar diferente. Pessoas e organizações dependem da capacidade de enxergar o mundo com outros olhos e se adaptarem com velocidade para construir o futuro, ao invés de serem surpreendidas por ele.

Espalhados por aí, estão vários conectores e facilitadores da inteligência coletiva, que têm em comum a coragem, a vontade e um plano para experimentar novas possibilidades. Esse movimento, que começou com diversas iniciativas isoladas, precisa dar um próximo passo. Não somos nós que estamos dizendo isso, é o mundo.

É daí que nasce o Mesha LAB.

Estamos integrando pela primeira vez essas pessoas reconhecidas por seus cursos, projetos, eventos, experiências e subversões, para sermos mais que uma multiplicidade de iniciativas. Queremos correr juntos, num movimento que só é possível a partir de mentes criativas conectadas para inspirar, transformar e cocriar jornadas de aprendizagem significativas pra você lidar com o contexto de incerteza.

Agora, te convidamos pra viver com a gente um programa-workshop-laboratório diferente de todos os outros. A gente quer reduzir o abismo entre a escola e o mundo real, hackeando os paradigmas tradicionais para empoderar você a aplicar o conhecimento na sua vida, na sua organização, no seu negócio e na sua comunidade.

Se você anda inquieto com o seu mundo, os seus negócios, o lugar em que vive e o rumo que as coisas estão tomando, você é dos nossos. Você é MESHA.

Um encontro de pessoas, mentes, corações e propósitos que tentam lidar com as incertezas do nosso tempo de um jeito diferente. Gente que procura subverter o que está estabelecido e dar novos significados àquilo que faz.

Aprender, por exemplo. A gente acredita que algumas pessoas podem nos inspirar a trilhar novos caminhos. Mas é você quem vai construir o seu caminho e aprender o que é realmente importante. Na bagagem, é preciso ter coragem, determinação e humildade.

Read more

A uberização de cada dia

Imagina se os fabricantes de fogão ficassem revoltados com a invenção do microondas.

Imagina se Platão impedisse o desenvolvimento da escrita pela ideia de que isso poderia “acabar” com a oralidade e a memória.

Imagina se as empresas especializadas em  calculadoras abominassem os aparelhos celulares.

Imagina!

Agora imagina taxista achando muito ruim o fato de agora ter um tal de Uber que é muito melhor para alguns consumidores. Imagina que alguns taxistas estão até inventando histórias de “fulana que foi assaltada no Uber ontem” para desmoralizar um serviço que é diferente do dele e não percebe a oportunidade de inovar e melhorar. Imagina o motorista de um táxi que acredita ter o direito de privar um passageiro de escolher qual serviço ele quer ter!

Para mim, isso é visão limitada. Vejo tanta oportunidade de negócio, de evolução e de disruptura nisso que quase abro uma aba do navegador para pesquisar o preço de um Toyota Preto e ser motorista. Brinks, eu odeio dirigir.

Se você quiser ver com o Uber é legal e pode ser o serviço ideal para você, toma aqui R$20 de crédito. É só se cadastrar usando o código “uberlhama” clicando aqui

Você prefere Uber ou Táxi?
Polêmica entre Uber e taxistas não termina!