6 ferramentas para você agendar posts nas mídias sociais

Independentemente de qual segmento e das estratégias digitais de empresas nas mídias sociais, todo profissional de marketing digital necessita de uma boa lista de ferramentas para facilita o agendamento de suas publicações em ambientes diversos.

Mas atente-se em um fator importante: é preciso acompanhar sempre as performances dessas ferramentas em suas páginas e/ou perfis. Um olhar analítico, principalmente sobre possíveis erros de publicações e alcance de seus posts, pode determinar se as mesmas estão de acordo com suas expectativas. Lembre-se: você está colocando todo o seu trabalho em ferramentas externas desses ambientes digitais. Todo cuidado é pouco!

Confira abaixo uma seleção de ferramentas para você implementar em sua rotina, além de conhecer algumas especificações que podem aumentar ainda o seu rendimento:

HOOTSUITE

Hootsuite: excelente ferramenta para você integrar diversas redes sociais ao mesmo tempo, com Facebook, LinkedIn (vale para company pages também), Twitter, dentre outras. É uma ferramenta bem recomendada pelos profissionais de Marketing Digital, mesmo com um plano gratuito limitado. Mas para quem deseja mais funcionalidade, há diversos planos que podem entrar em seu planejamento financeiro mensal. Clique aqui e confira mais.

INSTAMIZER
Instamizer:
essa é a ferramenta que ajuda a você programar publicações no Instagram, sejam elas em posts de vídeos, imagens, álbuns e até mesmo os novos queridinhos Stories. Há um plano gratuito, mas bem limitado. O investimento na ferramenta não é exorbitante, principalmente para agências e profissionais independentes que administram diversas contas de clientes. Clique aqui e confira mais.

 

BUFFER

Buffer: já bem famosa no meio digital, essa ferramenta permite agendamentos em redes sociais como Facebook, LinkedIn, Twitter, Pinterest, dentre outros. Com um plano gratuito limitado, dependendo de seu planejamento digital, suas demandas serão muito bem atendidas. O diferencial é que você conta com aplicativos para Android e iOS, proporcionando ainda mais mobilidade e praticidade no dia a dia. Clique aqui e confira mais.

 

POST PLANNER

PostPlanner: caso você tenha uma boa verba para suas campanhas digitais, essa ferramenta será muito interessante para suas estratégias. Além dos agendamentos em mídias sociais, você conta com um sistema que busca as imagens e links virais, fanpages recomendadas e os melhores status com engajamentos de sucesso. O plano mais básico tem o preço de U$9. Clique aqui e confira mais.

 

SPROUT SOCIAL

Sprout Social: além dos agendamentos em redes sociais, com essa ferramenta você conta com relatórios de desempenhos de retornos de clientes por meio dos canais digitais selecionados, tornando-se uma excelente ferramenta de CRM (direcionado para gerenciamento de clientes). Mesmo com um preço de U$99 mensais, vale a pena conhecer. Clique aqui e confira mais.

 

MLABS

MLabs: muito requisitada por diversos profissionais de marketing digital, essa ferramenta traz para você opções como agendamento de posts, relatórios para mídias sociais como Facebook, Twitter, Instagram e Google Analytics, além de ter opção de colocar colaboradores e parceiros de trabalhos em uma única conta, facilitando ainda mais a rotina de trabalho no dia a dia. Há planos que certamente cabem em seu orçamento. Clique aqui e confira mais.

 

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e colegas de trabalho e contribua, nos comentários, com suas dicas de ferramentas para conhecermos ainda mais novas opções em nosso mercado.

Gestão de carreira: Comunicação e marketing digital

Até quando sua inovação operacional será desejada?
Vale a pena esperar a maré do mercado virar?
Você vai esperar o “fim” ou pode criar o seu futuro profissional?
O que fazer para não se tornar obsoleto?
Esse é um convite para um bate-papo a partir das perguntas acima. Aprenda mais e descubra mais sobre gestão de carreira para profissionais que, atualmente, estão no auge da inovação.

 

 

gestão de carreira comunicação e marketing digital

 

Veja 5 dicas de bom uso de imagem para redes sociais

 

De acordo com os conceitos antigos do marketing, as marcas devem sempre mirar na necessidade do cliente e fazer com que a compra aconteça de forma natural. Isto foi dito muito antes da massificação das trocas digitais, e ainda hoje, este conceito deve ser levado em conta também no que diz respeito à resposta do consumidor: é importante confiar que realmente se faz parte da vida de quem consome.

O destaque das marcas no meio digital pode ser percebido pela maneira como se instalam no imaginário do público alvo. Algo que também faz parte dos antigos conceitos de marketing , mas que neste novo ambiente se mostra muito mais complexo que nas estruturas tradicionais de propaganda. Para se alcançar este sucesso, embora não haja uma receita, existem algumas dicas (selecionadas por nossa colaboradora Karina Marçal) que podem ajudar:

 

1- Seja o mesmo, independente da rede social.

A mudança de tom que muitas marcas adotam de acordo com a rede em que estão, muitas vezes transformam sua identidade e as torna irreconhecíveis e, além de não conquistar novos consumidores, também terminam passando pelo próprio público sem serem percebidas. Para não cairmos neste tipo de avesso, uma importante DICA é: Conheça a sua marca e saiba tudo sobre ela. Tudo que a representa em termos de imagem e identidade visual, e não subestime o poder de comunicação que têm estas representações.

exemplo post facebook empresa

2- Cada mídia tem suas regras.

Nunca devemos subestimar a importância de se conhecer a fundo as regras de cada plataforma de mídia social. É preciso pesquisar muito para conhecer cada uma delas, sobretudo porque junto com a mudança de mídia, geralmente, muda-se o público receptor.

Relacionando isso com o tópico anterior: não deixemos de lado a nossa identidade, é importante ser reconhecido, porém deve-se levar sempre em conta a cultura e o formato específico que cada plataforma nos coloca. A DICA importante aqui é: jogue o jogo sem ferir as regras!

Mesmo que a postagem do Facebook tenha sido um sucesso com uma determinada linguagem, ela não valerá para o twitter. Pesquise, conheça cada mídia, e tenha sucesso em todas elas.

Marketing digital imagem twitter netflix

3- Não economize cuidado na escolha da imagem

O Clichê que disse que “uma imagem vale mais que mil palavras” ainda é um paradigma a ser quebrado. Esse ditado nunca teve tanto sentido quanto na era digital, que tornou voláteis os encontros da marca com o consumidor.

Se antes, através da TV, as narrativas publicitárias eram pensadas para alguém que está sentado no sofá com os olhos postos no que a TV estava dizendo, agora este consumidor está, initerruptamente, avançando através da barra de rolagem em busca de algo interessante. Só as boas imagens podem fazer com ele pare para ver o que está sendo dito.

A DICA é: capte a atenção através do melhor que puder, em termos de imagem.

facebook case marketing digital coca cola

4- Saia da mesmice, proponha algo novo.

Dentro do universo digital, o sucesso de algumas marcas têm nos afirmado que as velhas narrativas fotográficas já não servem tanto como regra para as novas formas de se comunicar um produto. Temos visto que o sucesso das imagens nas mídias digitais está muito mais atrelado ao seu potencial sugestivo que ao produto em si.

Para simplificar podemos dizer que mais sugestivo que a foto de um bom rótulo de cerveja, pode ser a de um brinde entre amigos, num entardecer de happy hour.

A DICA é: pense nas situações que envolvem o seu produto, e vá além do óbvio.

despacito meme cemiterio marketing digital

5- Seja você mesmo

É comum que todas as marcas cobicem a geração que mais consome mídias digitais, porém é preciso ter atenção à linha que divide o natural do forçado. É importante que tenhamos diferentes maneiras de se dizer as mesmas coisas, mas muitas vez o pecado das marcas é de se vestir de algo que não são para alcançar o público jovem. A delicadeza desta questão está justamente no fato de serem tão conectados: a mesma capacidade que eles têm de viralizar uma imagem e de dar amplitude ao seu alcance, também vale para a disseminação do que lhe é desagradável e lhe pareça falso. A DICA é: use o bom senso para não dar margem para não dar margem para críticas destrutivas.

O algoritmo do Facebook, sentimentos e marketing digital

Já se foram 12 meses desde que as reações de emoção se tornaram botões e métricas do Facebook.

E o que foi possível observar nesse 1 ano de cliques de amor, raiva, surpresa, humor e like?

1- Big Data Emotion

O desafio de automatizar análises de sentimentos através de algoritmos volta a ser um tema em destaque.

Sabemos que as mais profissionais e avançadas ferramentas de monitoramento e análise de conteúdo de redes sociais sempre se depara com ironias ao tentar concluir sem auxílio humano para classificação de sentimentos.

Essa limitação do Facebook com os botões aproxima os analistas de alguns insights.

A linguística os botões podem ainda sugerir algumas confusões. Por exemplo, uma pessoa pode clicar no emoticon de triste não pelo fato de estar chateado com o dono da publicação, e sim com a mensagem contida ali. É possível deixar essa análise complexa também se formos tentar entender se uma marca ou pessoa recebe mais reações positivas ou negativas, uma vez que isso não reflete diretamente uma impressão sobre o emissor da mensagem, e sim (na maioria dos casos), sobre o texto.

2- O amor ganha da raiva

Vejam só o que disse um porta-voz do Facebook: “Durante o ano passado, descobrimos que se as pessoas deixam uma reação em um post, é um sinal ainda mais forte de que eles gostariam de ver esse tipo de postagem do que se deixassem apenas um like”.

E sobre a caixa-preta que é o Edge Ranking, podemos entender mais um pouco com essa fala: “Então estamos atualizando o News Feed para pesar as reações um pouco mais em relação ao que cada pessoa gosta e leva em conta para a relevância da história.”

Isso quer dizer que o botão do like será um critério de priorização dos posts que aparecem no feed dos usuários.

Mas veja bem a fragilidade dessa classificação:

  • vamos supor que você é uma pessoa extremamente interessada em assuntos políticos e judiciários
  • aparece na sua timeline um link sobre um tema relacionado à uma polêmica política atual, que é extremamente do seu interesse
  • todavia, aquela notícia deixa você revoltado e, instintivamente, seu cursos faz o clique no botão que expressa raiva (grrr)
  • o que você quis dizer com essa reação registrada: “essa notícia me deixou bravo. Que absurdo, etc, arf”
  • o que o algorítimo entende que você quis dizer com essa reação: “odiei esse conteúdo, não quero mais ver coisas do tipo”

Entende o tamanho do problema?

Páginas que tratam de assuntos não tão otimistas assim serão, naturalmente penalizadas.

Consequentemente, as marcas que usam o engajamento do Facebook para gerar vendas, alimentar funis de venda e todas suas estratégias precisarão prestar mais atenção ainda em que tipo de reação provocam com seus conteúdos!

 

3- Quem manda é o “Coração”

Outra informação divulgada nessa semana sobre essas interações é que o ícone do coração recebeu mais da metade de todas as reações registradas em 2016. Só no ano passado foram mais de 300 bilhões de expressões dos usuários do Facebook.

Além disso, o Natal foi o dia de maior “amor” distribuído na rede. Foi um recorde de registros de corações na rede.

4 – O sentimento continua o mesmo

Estamos perdidos? Não está fácil pra ninguém…

O sentimento dos profissionais que trabalham lidando com a caixa preta que é o algoritmo que controla o feed do Facebook continua sendo o de angústia e desconhecimento dos fatos.

Quando o Facebook começou com os botões de reações havia dito que todas elas teriam o mesmo peso de impacto na distribuição de conteúdo, porém com as atuais declarações já gera dúvidas sobre o assunto.

A maneira como a rede de Marc vai lidar com esses dados ainda é um mistério para todos, mas o que não se pode negar é que há um tesouro grande e poderoso nas mãos de sua equipe de Big Data Analytics.

E você? Como expressa suas emoções nas redes sociais?

Fonte das informações mais recentes

Design Thinking para Comunicação e Marketing Digital

Você sabia que design thinking combina (e muito) com todos os processos de comunicação e marketing digital?

Desde o planejamento até a criação de textos, imagens e o momento das estratégias de segmentação de anúncios: dá pra colocar o usuário no centro dos processos, trazer empatia e inovar nessa hora.

Quer aprender a colocar isso em prática? Fica a dica para a nossa terceira turma do curso de Design Thinking para Comunicação e Marketing digital.

Não precisa ter conhecimento prévio sobre os assuntos, pode ser empreendedor, profissional ou um mero curioso sobre o assunto. Todos são bem vindos e a metodologia e didática serão válidas para todos os públicos.

Clique aqui para se inscrever. Vagas limitadas ;)

Que tal colocar INOVAÇÃO, COLABORAÇÃO E EMPATIA no seu processo de Planejamento de Comunicação e Marketing Digital?

Conteúdo programático

  • O que é design Thinking
  • Práticas, tipos e estratégias de inovação
  • Pensamento voltado para quebra de paradigmas
  • Empatia
  • Imersão
  • Propósito do negócio
  • Persona
  • Empatia
  • Jornada do cliente
  • Ideação
  • Brainstorm
  • Técnicas de inovação 
  • Prototipação
O evento acontecerá no MGTI, no aconchegante café do Terceiro andar :) Avenida Afonso Pena, 4000, Belo Horizonte.
 
O café irá vender lanchinhos para que vocês mantenham as energias e o estômago em harmonia :)
Saiba como foi a última turma:
 

O que são leads qualificados e qual a importância para a sua empresa?

Que nome dar a uma pessoa que tem potencial para ser seu cliente? Quando o assunto é marketing digital, o termo usado é “leads”. Sim, essa palavra tão usada significa exatamente o que dissemos no parágrafo acima.

Um lead é um cliente em potencial! No post de hoje vamos falar sobre a importância dos leads qualificados para a sua empresa. Acompanhe!

A princípio, como identificar os leads?

Existem diversas formas de identificar o interesse de uma pessoa em algo que você e sua empresa oferecem. Por exemplo, uma pessoa visitando simplesmente seu e-commerce, pode ou não ser um lead.

Em alguns casos, essa pessoa pode estar simplesmente dando aquela clássica “olhadinha”, contudo essa mesma pessoa pode pesquisar também nos sites dos seus concorrentes, e ansiosa já para fechar a compra, afinal, como saber quem é quem nessa história?

A resposta para essa pergunta está no processo chamado de “qualificação de leads”. A seguir explicaremos melhor do que se trata essa relevante questão no marketing digital.

Leads qualificados

Chamamos de “leads qualificados” as pessoas que estão potencialmente em busca daquilo que sua empresa está oferecendo. O ideal é enviar a mensagem certa para as pessoas que realmente estão em busca dela.

Algumas empresas compram mailing (listas de emails e contatos) e disparam, por exemplo, emails oferecendo serviços e produtos. Sabe-se lá quem são as pessoas que estavam na mira dessa mensagem, pois o foco está apenas na quantidade de endereços.

Enviam uma oferta para 15 mil pessoas, mas poucos preocupam-se, de fato, com a “qualidade” dessa base de contatos. A probabilidade de se encontrar leads qualificados nessa lista gigante é mínima.

A importância dos leads qualificados para minha empresa

Se você fizer uma mensagem e mirar seu envio para milhares de pessoas, para uma multidão aleatória, dificilmente terá um bom resultado.

Em outra situação, se sua empresa preparar um discurso segmentado, apropriado para um perfil específico de pessoas e encontrar um jeito adequado de entregar essa mensagem, provavelmente terá uma performance mais relevante.

Leads, conteúdo e marketing digital

Somos assediados o tempo todo com infinitos links, posts e informações. Se observar o seu próprio comportamento enquanto consumidor de conteúdo digital, perceberá que você segue alguns padrões e que ignora grande parte daquilo que recebe.

Isso acontece, provavelmente, porque você não era um lead qualificado para as marcas que tentam estabelecer comunicação. A ideia das estratégias de marketing digital é criar engajamento e relacionamento entre o lead e a marca. Dessa forma, aquela pessoa passa a enxergar a empresa com credibilidade, a dar autoridade a ela e, atualmente, se qualifica como lead.

Quando um lead se qualifica, geralmente pode-se considerar que ele já não está mais no topo do seu funil de vendas, pois, de fato, aquela pessoa já conhece o que você oferece e talvez já conhece seu diferencial.

Com os próximos passos que sua marca der (por exemplo, enviando email marketing de qualidade, posts relevantes, etc) é possível que o lead passe a levar em consideração a hipótese de fechar negócio com a sua empresa e não com o seu concorrente.

Atualmente suas estratégias estão com foco em leads qualificados? Deixe seu comentário e conte-nos!

 

Personal Branding para políticos

Em ritmo de eleições, inúmeras pessoas tentam se lançar nas mídias digitais em busca de votos. Elas nunca estiveram ali estrategicamente, algumas até já são conhecidas, todavia não é uma prática no Brasil trabalhar de forma consciente a marca pessoa. Em vésperas de eleições isso se torna uma necessidade e uma urgência para aqueles que estão envolvidos na campanha eleitoral, e nem sempre sabemos por onde começar, não é mesmo?

Nas últimas semanas me dediquei ao lançamento de um novo projeto: um curso focado em personal branding para candidatos políticos.

Observando as campanhas eleitorais feitas para as mídias digitais, percebi que os candidatos exploram pouco as questões das suas marcas pessoais. SEO, Facebook, Snapchat, Linkedin, discursos, personalidade e inúmeras outras questões não são levadas em conta na hora de começarem a fazer propaganda eleitoral, e por isso, muitas vezes, geram crises e afastam potenciais eleitores.

Lancei esse curso com o objetivo de auxiliar candidatos políticos e profissionais que trabalham em suas campanhas.

Certamente vai ajudar quem está envolvido nas #Eleições2016 a fazer um trabalho mais relevante e que gere mais resultados ;)

? Preço Promocional: R$87,00

LANÇAMENTO: ? http://bit.ly/eleicoes2016brand ? Curso totalmente digital ? Vídeos e textos!

 

Share 2016 em BH: que tal um desconto amigo?

Quem me conhece já sabe que sou suspeita com relação ao Share :) Para mim é praticamente o melhor evento de marketing digital do Brasil: palestras lindas, energia ótima e muita gente boa reunida!

Pois então, para os amigos de BH, eis aqui um presentinho: um código de desconto :P.

Vai acontecer tudo no IBMEC, dia 27 de agosto.

Entre os palestrantes, estão: Gabi Terra (Diretora de planejamento da Garage IM.), Ale Prado (Head Digital / DC Agência Africa), Camila Gadelha (Head Digital Artplan), Pedro Gravena (Head de inovação e digital da Y&R), Agatha Kim (Diretora de planejamento da Havas Brasil), Walter Motta Junior (Head de Mídias Programáticas no Yahoo! Brasil) e Leonardo Lanna (Redator do programa “Tá no AR – A TV na TV”da Rede Globo).

Os assuntos abordados no Share BH serão: planejamento e big data, propósito de marca, mídia programática, criação de hits digitais no novo mundo dos milhões de vies e um bate papo sobre o Sensacionalista, o blog que faz uma releitura do noticiário e do cotidiano.

Os ingressos já estão à venda no site. E se você é um serumaninho que sempre lê esse humilde blog que vos fala, é só usar o código parceiro10 na hora de fazer a inscrição para ter um desconto!

A gente se vê lá então, né?

16.07.04_Palestrantes_BH

Serviço

Share Belo Horizonte

Data: ​27 de agosto

Local: ​Ibmec Minas Gerais – R. Rio Grande do Norte, 300

Ingressos: ​http://eventoshare.com.br/share/share-2016-bh

Os horários nobres das redes sociais

Foi divulgado um estudo realizado pela Sprinkler revelando o comportamento dos usuários e das marcas no Facebook, Instagram e Twitter durante o ano de 2015.

Como foi feita a pesquisa

Com base em 160.244.070 menções coletadas durante o ano de 2015 inteiro através do Scup, o estudo levantou comportamentos padrões dos usuários nas redes.

Por que essa pesquisa é legal para vc, caro leitor do blog da Raquel Camargo?

Simplesmente pelo fato de que esses dados podem ser uma bússola para vc. Sabe aquela hora que bate a dúvida sobre qual é o melhor momento para publicar o que e em qual rede? Então! Essa pesquisa te ajuda a entender o comportamento das pessoas e, consequentemente, orienta nas suas estratégias.

Claro, os dados são de 2015 e o nosso comportamento muda muito e rapidamente, todavia é o que temos para hoje. Não é fácil ter pesquisas tão grandes em tempo real, então boa estudar isso aqui!

A pesquisa toda ficou muito interessante e fala, inclusive, de segmentos. Dê uma olhada no trabalho completo deles clicando aqui. Enquanto isso, veja alguns destaques abaixo.

Veja alguns fatos destacados na pesquisa

facebook dia para postar

horário nobre mídias sociais horários para postar no facebook e instagram

facebook dias

Manual para Eleições Municipais 2016

Para os colegas comunicadores que vão trabalhar com candidatos durante as Eleições de 2016, uma boa dica aqui:

O Projor, Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo, em parceria com Google, acabou de lançar o Manual Eleições Municipais 2016.

No material você vai encontrar conteúdo básico sobre jornalismo de dados, políticas públicas municipais e mais orientações que ajudarão quem está chegando nessa área de atuação.

O público-alco do material é de jornalistas da imprensa local, estudantes de comunicação social e demais profissionais envolvidos com as práticas jornalísticas e assessoria de imprensa.

Clique aqui para acessar o Manual das Eleições Municipais 2016 para jornalistas.

Dica da Caru Schwingel