Arquivo da categoria 'Ego-posts'



27/05
Raquel Camargo
Evento Share, agosto, em BH

share-bhÉ com muita empolgação e ansiedade que anuncio que BH recebe a nova edição do evento Share e que… (Ai que emoçãum!!!) estarei por lá como palestrante. Que honra <3

Vem ai o Share – Social Media na Prática, edição BH. Evento focado em redes sociais e marketing digital na prática, já rodou muitas cidades do Brasil este ano e agora volta com tudo para Belo Horizonte.

Por lá vou falar sobre o trabalho que a Lhama.me tem acompanhado ao lado dos mineiros da Hekima. É big data analytics, social data e tudo o que vier para ajudar a gente a tomar decisões com base em dados :)

A 16º edição do Share em BH, terá uma grade única e diversificada.

Então save the date – 22 de Agosto

Veja aqui os outros palestrantes dessa edição e se inscreva :)

 

26/05
Raquel Camargo
Entre o status “desempregado” e “empreendedor”

História de empreendedorismo de Raquel CAmargo
Aquele sábado, 23 de maio de 2015, foi um dia muito interessante de ser vivido.

Fui convidada para contar minha trajetória de vida para uma turma do Lab-x, da Fundação Estudar, que aconteceu em Contagem.

Ano passado eu estava ali, sentada no meio dos vários participantes do Laboratório Na Prática, também da Fundação Estudar. Eu sentia era frio na barriga até mesmo na unha. Estava no ápice da minha transição. Eu tinha acabado de sair de um emprego e começava a falar para os outros que eu era empreendedora, que fazia uma empresa acontecer (nesse caso, a Lhama.me, até então ao lado da querida amiga e super profissional Priscilla Fujiwara). Parte de mim dizia para eu me desesperar, que eu estava sem grana e sem estabilidade nenhuma e que eu devia mais era “caçar um trabalho”. É difícil fazer a mente mudar a lógica.

Durante a experiência do Laboratório eu fui entendendo a minha vida e o tanto que eu gosto de quebrar minhas próprias zonas de conforto. Em um exercício que propunha fazer o story-board de nossas vidas, eu deixei bem claro que estou sempre em transição, mas que nenhuma transição até aqueles 28 anos de vida estava sendo tão misteriosa como essa de escolher empreender.

No processo do Laboratório (que dura 1 mÊs) minha ficha caiu pesadamente e me fez sentir que eu estava fazendo uma tatuagem na alma, e que isso não seria apagado mais. A experiência de fazer uma marca nascer, de ver pessoas acreditando naquilo que você propõe e muita gente comprando suas ideias é profunda e viciante.

Ficar por conta da firma

Meu primeiro dezembro empreendedor foi pura pindaíba, digamos. Mas foi libertador. Não tinha ninguém para cortar minhas asas, para me limitar o espírito e tal. Aí sim eu me senti empreendedora (com todo o ônus e bônus que se podia ter). Enfim, eu estava “por conta”.

O meu namorado, empreendedor de “nascença”, outro dia conversava com alguém que perguntou o que eu fazia. O diálogo foi assim:

Pessoa aleatória: – E você está trabalhando onde?
Meu namorado: – Em casa mesmo
Pessoa aleatória: – Ah, que legal, é bom ser empreendedor assim. E sua namorada, onde trabalha?
Meu namorado: – Em casa mesmo
Pessoa aleatória: – Ah, é dona de casa?

Não, cara pálida. Mulher é capaz de trabalhar em casa fazendo outras coisas além de “pilotar fogão” e lavar roupa, mané.

De fato, cada situação dessas que pulam no meu caminho desde que resolvi assumir essa vida de empreendedora me fortalece. Me tira mitos, me faz construir verdades e me motiva a continuar. Apenas continuar. Acho que estou mandando bem, e fazendo o melhor de mim.

Nesse sábado bacana que eu tive me deram a oportunidade de contar minha história de vida para um grupo de jovens interessados em empreender e/ou intraempreender. Do fundo do meu coração, espero que confiem muito em suas ideias e construam projetos lindos e de sucesso. E é importante falar que sucesso significa, em várias situações, fracasso. Os erros são mensagens, e a gente precisa acolhê-los em busca do aprendizado. É só assim que a gente redescobre o mundo e constrói a realidade que escolhemos para nós mesmos.

Se eu pudesse voltar ali no ano passado e dar uma dica para a Raquel, eu diria pra ela continuar confiante, e sem esse apego do status de um emprego. E com disse o Tim Ferris, ter muito trabalho não significa ser PRODUTIVO. No meu caso, pelo menos, eu busco é o fazer, o movimento, e não o acúmulo. Para mim, empreender é isso, mover o que eu acredito, no sentido que eu acredito ser o mais adequado :)

 

23/05
Raquel Camargo
Responsabilidade social (media) e open data

Evento de mídias sociais da UNA, em Belo Horizonte

 

Recebi um convite bem especial da UNA, e topei falar sobre minhas peripécias de tentativas de melhorar o mundo através das novas tecnologias.

Quem me conhece sabe que sempre fui inquieta com relação à política, gestão pública e sobre o posicionamento que cada um de nós temos sobre tudo o que nos incomoda. Reclamar é fácil, mas e aí? O que a gente faz com isso? Como colocar em prática iniciativas, conhecimento e inspiração que realmente mova a sociedade para a melhor? As mídias sociais são, afinal, veículos capazes de transformar realidades? O meu palpite, sem dúvida, é que sim.

Nessa palestra eu falei sobre isso, contei do meu envolvimento com os temas de dados abertos (que cá entre nós, eu acredito muito que seja a matéria prima do nosso futuro), dos projetos de impacto que são criados por pessoas que simplesmente sentem paixão pelo que fazem e como pequenas iniciativas e posturas na hora de produzir conteúdo e usar as mídias sociais são capazes de transformar o mundo em um lugar um pouquinho melhor.

Compartilho aqui os slides da apresentação, que podem gerar insights e apresentar novos cases. Espero que inspire :)

09/04
Raquel Camargo
Que tal um grupo de conversação de mídias sociais?

O que é bom tem que continuar =D
Já que foi tããão legal essa experiência de criar um grupo de conversação focado em Comunicação Digital e Mídias Sociais, o tal do Lhama Knowledge está com inscrições abertas de novo!

Na programação estão encontros que discutirão gamification, big data, estrutura de textos de notícias factuais, cases dos profissionais de Belo Horizonte e muito mais.

Veja a agenda =)

Grupo de Estudos de Comunicação Digital e Mídias Sociais

 

Ficou afim? Clique aqui agora, saiba mais e se inscreva.

19/03
Raquel Camargo
Evento propõe que pessoas passem um dia sem acesso à internet, computador e celular

VivenciaForadeArea-folder1

Quanto tempo por dia você consegue ficar offline? Quantos encontros com amigos e almoços foram interrompidos pelo hábito de conferir o que há de novo no Facebook ou no Whatsapp?

Uma pesquisa realizada em 2014 mostra que 52% dos brasileiros ficam online diversas vezes por dia, o que comprova que a Internet se torna cada vez mais indispensável para todas atividades rotineiras.

Dos dispositivos usados pelos brasileiros dependentes das novas tecnologias de comunicação, o celular já garantiu espaço entre a maioria das pessoas. Os smartphones já ultrapassam computadores no quesito dispostivos mais usados. De todas as atividades nesses aparelhos, as redes sociais representam 35% das atividades realizadas nos celulares inteligentes do Brasil, de acordo com a pesquisa realizada pelo The Connected Consumer Survey, realizado em 2014.

grafico-uso-internet-usuarios

 

Marque na agenda: 26 de abril de 2015, domingo. De 9 horas às 18, em um lugar bonito perto de BH :)

 

Reinicie o seu jeito de olhar, sentir e de conectar-se

Pode até parecer irônico esse evento ser marcado pela web, mas estamos sim te convidando para ficar um dia offline e estabelecendo comunicações de outras formas com a vida.

A vivência, idealizada pela Lhama.me, quer proporcionar aos participantes um momento especial para estarmos presentes no presente, desconectados das mídias e do bombardeio de informações da internet. A ideia é desconectar-se da rede digital para estar conectado a você mesmo, com a natureza e com outras pessoas presentes.

Durante o dia, estaremos no meio da natureza e praticaremos exercícios de meditação musical, musicoterapia conversas, atividades e jogos cooperativos, praticaremos música de forma colaborativa e livre e, principalmente, estaremos presentes.

O preço é baratinho, dá para participar usando o desconto que faz o evento sair por 170 reais. Nesse preço está incluso transporte de ida e volta, trilha sonora feita com carinho, as dinâmicas da vivência que contam, inclusive, com uma cantora, almoço, lanche e muita interação <3

Mais detalhes aqui

Para se inscrever:

Valor promocional para pagamento até o dia 26/03: R$170,00
Valor após o dia 26/03: R$185,00
Pode ser feito através de depósito (Santander, Ag 3049 – CC 01006418-2 – Raquel Camargo) ou dividido no cartão de crédito através do Sympla.

Caso opte pelo depósito, favor enviar o comprovante com nome completo e telefone para raquel@lhama.me
 
*O Sympla cobra uma taxa de serviço para pagamento em cartão. Você pode optar em fazer o pagamento através de depósito bancário. Nesse caso, favor entrar em contato com raquel@lhama.me
20/11
Raquel Camargo
Redes sociais para gastronomia: quais ingredientes para o sucesso?

Pensando nos nichos que podem potencializar seus negócios e trabalhos com as redes sociais, mas não dominam as ferramentas, métricas, técnicas e todos os demais paranauês que são importantes, eu e a Cínthia Demaria decidimos criar um curso para ajudar os profissionais da gastronomia.

redes sociais - gastronomia

 

Veja aqui os detalhes :)
Redes sociais para profissionais de gastronomia
Data: 15 de dezembro – de 9 às 17h
Local: Espaço Vila da Serra (próximo à Praça do Papa) – Belo Horizonte

Objetivo: Capacitar profissionais da área de gastronomia para usarem de forma adequada as Redes Sociais com intuito de garantirem credibilidade, confiança e encantamento do público.

Saiba sobre o que vamos falar:

– Onipresença digital: você está fazendo isso errado?
– Foco no conteúdo: qual o melhor tipo de publicação e quais técnicas de redação usar na hora de falar com seu público pela internet?
– Planejamento: medir para acertar: entenda mais sobre planejamento sazonal, com assuntos relevantes para o público de gastronomia e comportamento nas redes sociais.
– Atividades práticas com os cases dos participantes
– Técnicas de engajamento e Psicologia do Consumo
– Técnicas de storytelling

Valores:
Até dia 25 de novembro: 180 reais
Após dia 26 de novembro: 200 reais

Facilitadoras da troca de conhecimentos:
Raquel Camargo – jornalista, mestre em Estudos de Linguagens pelo Cefet-MG com projeto sobre apropriação Literária no Twitter, já trabalhou com redes sociais com personalidades como Eduardo Costa, Itamar Franco e marcas como UOL, Uni-BH e projetos do Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas.

Cinthia Demaria – jornalista, especialista em Mídias e graduanda em Psicologia, já trabalhou em diversas agências de publicidade e também atuou no setor de comunicação do Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas.

Você conhece alguém que precisa desse curso? Compartilhe esse post com ela, por favor! =D Todo mundo sai ganhando com profissionais de gastronomia que alcançam bem seus públicos =)

Para fazer inscrições, é só clicar aqui =)

Essa é uma iniciativa do Projeto Efusão, criado pela Cinthia e eu. Nosso objetivo é criar eventos, experiências, cursos e demais vivências que permitam o compartilhamento de conhecimento. Curtam no Facebook e acompanhem as novidades.

07/11
Raquel Camargo
Participe da Semana de Mídias Sociais, em BH

midias sociaisConvido todos vocês para o evento ‘Semana de Mídias Sociais‘, que acontecerá em BH. Estarei por lá falando sobre essa coisa linda de deus, essa xoxô-mídia amada, na abertura (10/11). O evento é 0800 e restam poucas vagas! Corre :)

A Graduação em Mídias Sociais e o MBA em Comunicação Digital da UNA estão juntos para promover uma semana de boas conversas sobre como estudantes, profissionais e empresas podem utilizar a internet como ferramenta de comunicação e de criação de relacionamentos.

PROGRAMAÇÃO:

Segunda-feira, 10/11:
19:00h – Raquel Camargo – Futurização da Mídias Sociais (lhama.me)
19:40h – Ayala Melgaço – Empreendedorismo nas Mídias Sociais (Mafalda Comunica)
20:10h – Bruno Borges – Panorama do mercado profissional
20:40h – Guilherme Avila – Jornalismo e Mídias Sociais (O Tempo).

Terça-feira, 11/11:
19:00h – Daniel Coquieri – Facebook Ads (Ezlike)
19:40h – Alexandre Estanislau – desafio do mercado de comunicação (Abradi – Bolt)
20:10h – Bernardo Cançado – Mídias Sociais Aplicadas (Mentes Sociais | Circuito do Rock)
20:40h – Fabiano Cancela – Introdução ao Marketing de Conteúdo
(RockContent)

Quarta-feira, 12/11:
19:00h – (via web): Hangout com Pri Loredo – Humanização das Marcas
Importante: nesta data NÃO haverá programação no auditório

Quinta-feira, 13/11
19:00h – Gutenberg Almeida – O Poder das Conexões
19:40h – Ana Paula – O que as pessoas esperam das marcas nas mídias sociais (Open)
20:10h – Wander Veroni – Novos tempos para os blogs (Café com Notícias)

Evento GRATUITO!
Faça a sua inscrição no link http://bit.ly/1phR3Ce

19/10
Raquel Camargo
Das mudanças de rumo: nasce uma Lhama

Tirando a poeira desse blog, porque já passou da hora, venho através desse contar para vocês as novidades da vida profissional.

Após sair de SP para trabalhar com inovação no Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas, uma secretária provisória que é (cá entre nós) um lugar surreal-de-bom dentro das estruturas da gestão pública, eu agora sou empreendedora.

Desde janeiro de 2013 estava vivendo experiências incríveis no querido E.P.E. Cheguei lá para trabalhar no projeto Movimento Minas, como contei nesse post aqui, e quando saí estava no Dataviva, que é um grande case na área de dados abertos. Olha, foi tudo muito enriquecedor!

Eu saí porque senti um impulso. A ideia da empresa veio quando outros órgãos públicos e instituições começaram a me chamar para conversas relacionadas à formatos de evento e conteúdo. A experiência de participar da construção e idealização do 1º Hackathon do Governo de Minas repercute até hoje (que orgulho!). Observando esse contexto, essa energia de criar novas oportunidades de construção coletiva me inspirou e então tomei coragem.

Daí nasceu a Lhama.me, a minha primeira empresa.

lhamame

A essência dessa empresa é INTERAÇÃO. Eu adoro ver pessoas interagindo, redes se formando, mobilização sendo construída, etc. É disso que a Lhama.me vive, portanto. Mas o lance dela não é só eventos. Com esse laboratório de interação, eu também pretendo compartilhar minhas experiências e conhecimento no contexto online, oferecendo assim estratégia e conteúdo para as mídias digitais.

O primeiro fruto da empresa é o evento Futurização, que pode ser entendido mais aqui.

Enfim, apresento a você a querida Lhama.me. O melhor jeito de entender mais essa querida é visitando o site.

Fiquem à vontade para entrar em contato, compartilhar impressões e, quem sabe, criarmos projetos juntos. Llama me.

09/10
Raquel Camargo
Saiba como foi o Café Controverso sobre Política e Cultura Hacker

Como falei por aqui, tive a honra de participar de um debate muito legal sobre política e cultura hacker, no Espaço UFMG do Conhecimento, em BH.

“O termo “Ética Hacker”, cuja criação é atribuída ao jornalista Steven Levy, autor do livro Hackers: Heroes of the Computer Revolution, refere-se ao conjunto de valores filosóficos que guiam as ações da comunidade hacker. A visão é norteada principalmente pelo princípio do livre acesso à informação. Em um contexto em que o ciberativismo se faz cada vez mais presente, com a apropriação dos meios tecnológicos como uma das formas de exercício da cidadania, como a cultura hacker pode interferir na política?”

Eu e o Cacá debatemos a relação de dados abertos, empoderamento público e impacto social

Eu e o Cacá debatemos a relação de dados abertos, empoderamento público e impacto social

Com o professor Carlos Falci e uma plateia extremamente participativa e crítica, o papo rendeu. Melhor que eu contar aqui o que rolou, é você dar o play aí abaixo :)

Café com C – Cultura Hacker e Política by Espaço Do Conhecimento Ufmg on Mixcloud

02/09
Raquel Camargo
Jogo permite que deputados sejam escalados em time de futebol

Como sabem, faço parte da equipe de um projeto de alta relevância, principalmente agora pro contexto eleitoral.

Para relembrá-los dessa ferramenta e também pedir que nos ajudem a compartilhar essa ideia, publico aqui o release do game.

Fiquem à vontade para copiar, colar, compartilhar e tudo mais =)

pec3

Além de ter dinâmica divertida, o game pode impactar diretamente o poder de decisão das pessoas através
dos dados de atuação dos parlamentares.

 

Com objetivo de auxiliar eleitores que buscam deputados para votar, mineiros desenvolveram o fantasy­game Política Esporte Clube, que mistura futebol e cidadania. Usando dados da Câmara dos Deputados e Tribunal Superior Eleitoral, o jogo permite escalar um time de futebol composto por parlamentares.

As pontuações das equipes são baseadas em uma análise quantitativa dos principais índices de contribuição na cena política nacional. Presenças nas sessões, proposições realizadas, gastos com gabinetes e votações realizadas são alguns dos itens considerados pelo tratamento de informações feito pelo jogo. Para ter maior competitividade entre os times criados no site, um ranking nacional é atualizado semanalmente com o nome dos times e suas respectivas pontuações.

Para participar do Política Esporte Clube, basta preencher um rápido cadastro e eleger os 4 deputados que vão compor o seu time. Como um campeonato de futebol, o PEC tem rodadas semanais que definem as classificações dos times.

Eleições

Em 2012, o Brasil teve mais de 140 milhões de eleitores, de acordo com informações do TSE. Com a proximidade do período eleitoral, a busca por informações relacionadas aos políticos por parte desses milhares de cidadãos tende a crescer.

O Política Esporte Clube explora o poder cognitivo dos jogos e possibilita que qualquer pessoa saiba sobre a atuação dos parlamentares enquanto joga. Portanto, o jogo ganha relevância social pela importância do conhecimento relacionado às atividades dos deputados por parte dos cidadãos.

Assim como aqueles que buscam opções de voto para as eleições de 2014, os próprios candidatos que já atuam na Câmara dos Deputados poderão fazer uso do jogo para obter uma nova visualização das atividades parlamentares e sobre a interação que os cidadãos/jogadores têm feito através dos times de futebol.

Dados abertos e premiação nacional

Além de servir à sociedade civil, o Política Esporte Clube também chamou atenção de governantes.

O Política Esporte Clube recebeu um reconhecimento nacional vencendo o “1o Desafio Participa.BR”. O concurso, promovido pela Secretaria­Geral da Presidência da República, teve como objetivo construir um banco de ideias para aplicativos que materializem um espaço de participação social.

Todo o site do jogo é alimentado com dados abertos, publicados pela própria Câmara dos Deputados. “Acreditamos que a política de abertura de dados seja fundamental para a ampliação da participação social também nas novas mídias”, afirmam os integrantes da equipe do jogo.

Quem faz o “Política Futebol Clube”

O projeto conta com uma equipe de Belo Horizonte. Conheça o perfil de quem colabora com o projeto:

Daniel Silva é formado em Ciências Econômicas, é pós graduado em Economia pela UFMG. Atualmente trabalha no Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas como analista de regras de negócio no Núcleo de Análise Avaliação e Informação.

Mário Mol é formado em Ciência da Computação, é pós graduado em Engenharia de Software e tem MBA em Gestão de Projetos. Atualmente trabalha no Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas como desenvolvedor do Núcleo de Sistemas e Gestão.

Raquel Camargo é formada em jornalismo, é mestre em Estudos de Linguagens. Atual em projetos de inovação aberta no Governo de Minas e hoje trabalha como diretora da empresa Lhama.me.