Relato de quem teve zika virus dengue

Meu relato: eu tive Zika Vírus

Hoje é meu primeiro dia pós-zika vírus. Tudo bem, esse é um blog que fala de mídias digitais, mas peço licença aos leitores para usar o espaço para falar sobre esse problema de saúde que tem afetado milhares de pessoas.

Passei os últimos 9 dias com o corpo estranho. Começaram com as manchas vermelhas, depois chegou uma dor no corpo, dor de cabeça. Alguns dias depois a coceira bateu e não me deu paz mental. Veio de brinde uma moleza no corpo, uma vontade de ficar deitada para sempre.

Depois daquela luta básica para ser consultada por um médico, veio a suspeita do médico: zika vírus.

Não era dengue, ele já suspeitou. Fez o exame do laço, ficou na dúvida. Pediu para que eu fizesse um exame de dengue (já que, segundo ele, a Unimed não estava cobrindo o exame de Zika). Aí deu negativo esse teste, o que confirmou a hipótese do médico.

Cá entre nós, o Zika Vírus é chato, mas pelo visto a dengue é bem pior. De todos os sintomas, todos são suportáveis. Tá, ok, a coceira é quase insuportável. Foi terrível essa parte, mas eu achei que seria pior. A parte mais irritante é que a coceira (que me afetou muito nas mãos e nos pés) deixou as partes do corpo um pouco inchadas, e isso causou muito incômodo. Por exemplo, usar o mouse era impossível por causa da coceira na mão. Até andar ficava difícil, pois a sola do pé ficou bem frágil também com a zika.

Não tive vômito e nem febre alta, felizmente. O medicamento que o médico receitou me ajudou muito, e claro, hidratação o tempo inteiro foi fundamental para tudo se resolver.

Gravei um vídeo contando sobre a experiência de se ter zika vírus. Veja aí abaixo ;)

OMG! Ganhei o Prêmio Share Social Media 2015

Share11
Share7Eu realmente não acreditei. Estava concorrendo com dois profissionais de São Paulo, caras super relevantes e conhecidos. Era o Gabriel Ishida, do Atlas Media Lab, o Estevão Soares, da Estrategi.ca e o meu nome e o da Lhama.me lá no meio. Esses dois colegas são admirados e grandes profissionais, e ter meu nome no meio dessas indicações já foi um combustível forte para o coração. <3

Saí de BH na terça-feira cedo, cheguei em São Paulo e já fui praticamente direto para o evento de premiação.

Depois de palestras incríveis, começou exatamente pela categoria que havíamos sido indicados a entrega de premiações de profissionais do ano. Confesso que bateu aquela leve tremedeira de ansiedade, até que o Rafael e o AhNão (da prefs de Curitiba), anunciaram meu nome como vencedora da categoria. Que demais <3

Além disso, grandes profissionais e agências também foram contempladas. O Boticário e a Prefeitura de Curitiba foram alguns dos nomes que mais levaram prêmios para casa devido suas atuações relevantes no ano nas mídias sociais. A DM9 também levou o prêmio de Agência do Ano.

Parabéns aos indicados, aos vencedores e, claro, ao Rafael e todos os profissionais envolvidos na organização do Prêmio SHARE <3

Premiação - raquel camargo

Quero registrar um grande “muito obrigada” aqui. <3 Desde os 13 que sou blogueira, desde os 20 trabalho profissionalmente com mídias digitais e sociais (sim, na época do IRC, ICQ e Orkut eu já estava lá rs), aos 22 comecei um mestrado para estudar essa internet-amor-da-minha-vida, e receber um reconhecimento desses nas vésperas de completar 29 anos é motivo de muita alegria.
Obrigada aos jurados que indicaram meu nome, às pessoas que votaram em mim na segunda etapa e, principalmente, agradeço muito todos que passaram pelo meu caminho durante todos esses anos e me ensinaram e compartilharam conhecimento, amizade e inspiração :)

Estou sempre comprometida e determinada à melhorar sempre, compartilhar o que há de melhor e entregar o melhor do meu trabalho para aqueles que acreditam no que faço. Contem comigo <3

Fui indicada para um prêmio e agora preciso do seu voto

A gente recebe umas notícias que nos surpreendem muito. Outro dia foi bem assim.

Fiquei sabendo que os jurados do Prêmio Share Social Media havia me indicado como um dos nomes de profissionais que mais se destacaram esse ano na área de marketing digital, mídias sociais e tudo isso que eu amo.

Fiquei feliz demais. Só a indicação, ao lado de outros profissionais que admiro demais, já é motivo para muito orgulho e satisfação.

votacao share raquel camargo

Já que fui indicada, resolvi fazer o negócio direito. Para eu ganhar o prêmio, preciso agora de votos. Peço humildemente o apoio de quem conhece meu trabalho e acredita nele. Serei muito grata!

Clique aqui e vote em mim! :)

Agradeço muito =)

grupo de estudos mídias sociais lhama raquel camargo

Metodologias de conversação e colaboração

metodologia de conversação - oficina ufmg

Desde que comecei a trabalhar no Governo, em 2013, as metodologias capazes de conectar pessoas em conversas significativas e produtivas têm me atraído mais e mais.

Embora eu não seja uma profunda estudiosa da educação, da pedagogia e coisas do gênero, me empolgo experimentando formas que criam experiências de aprendizado novas para as pessoas.

Foi nessa empolgação que veio a ideia, inclusive, de criar o Grupo de Estudos Lhama Knowledge. Lá o foco é usar metodologias de conversação que, ao mesmo tempo, faz as pessoas aprenderem, ensinarem e criarem comunidades fortalecidas. É muito bacana o case.

Decidi compartilhar esses aprendizados de uma forma diferente agora.

Na próxima semana a UFMG irá promover o Congresso de Inovação e Metodologias de Ensino, e terei a honra de compartilhar com professores e demais interessados o que aprendi e o que pratico nesse quesito.

Saiba mais aqui:

Objetivo

Possibilitar reflexões e troca de experiências em comunidade, a fim de potencializar inovações nas práticas de ensino das diferentes áreas do conhecimento.

Publico alvo

Docentes, Funcionários Técnico-Administrativos da UFMG, estudantes e ex-estudantes de Graduação e de Pós-Graduação e demais interessados.
A oficina vai durar 2 horas (não vai ter dia 15 mais, como mostra no banner deles). Fica a dica. Vai ser de 16h30 às 18h30 e as inscrições ficam abertas até o dia 13 de outubro.

Clique aqui para se inscrever.

 

Ah! Acontecerão várias outras oficinas com outros temas. Veja a programação aqui

Inscrições abertas para as oficinas do I Congresso de Inovação e Metodologias de Ensino, a ocorrer entre os dias 14 e 16…

Posted by Giz UFMG on Terça, 6 de outubro de 2015

Evento Share, agosto, em BH

share-bhÉ com muita empolgação e ansiedade que anuncio que BH recebe a nova edição do evento Share e que… (Ai que emoçãum!!!) estarei por lá como palestrante. Que honra <3

Vem ai o Share – Social Media na Prática, edição BH. Evento focado em redes sociais e marketing digital na prática, já rodou muitas cidades do Brasil este ano e agora volta com tudo para Belo Horizonte.

Por lá vou falar sobre o trabalho que a Lhama.me tem acompanhado ao lado dos mineiros da Hekima. É big data analytics, social data e tudo o que vier para ajudar a gente a tomar decisões com base em dados :)

A 16º edição do Share em BH, terá uma grade única e diversificada.

Então save the date – 22 de Agosto

Veja aqui os outros palestrantes dessa edição e se inscreva :)

 

História de empreendedorismo de Raquel CAmargo

Entre o status “desempregado” e “empreendedor”

História de empreendedorismo de Raquel CAmargo
Aquele sábado, 23 de maio de 2015, foi um dia muito interessante de ser vivido.

Fui convidada para contar minha trajetória de vida para uma turma do Lab-x, da Fundação Estudar, que aconteceu em Contagem.

Ano passado eu estava ali, sentada no meio dos vários participantes do Laboratório Na Prática, também da Fundação Estudar. Eu sentia era frio na barriga até mesmo na unha. Estava no ápice da minha transição. Eu tinha acabado de sair de um emprego e começava a falar para os outros que eu era empreendedora, que fazia uma empresa acontecer (nesse caso, a Lhama.me, até então ao lado da querida amiga e super profissional Priscilla Fujiwara). Parte de mim dizia para eu me desesperar, que eu estava sem grana e sem estabilidade nenhuma e que eu devia mais era “caçar um trabalho”. É difícil fazer a mente mudar a lógica.

Durante a experiência do Laboratório eu fui entendendo a minha vida e o tanto que eu gosto de quebrar minhas próprias zonas de conforto. Em um exercício que propunha fazer o story-board de nossas vidas, eu deixei bem claro que estou sempre em transição, mas que nenhuma transição até aqueles 28 anos de vida estava sendo tão misteriosa como essa de escolher empreender.

No processo do Laboratório (que dura 1 mÊs) minha ficha caiu pesadamente e me fez sentir que eu estava fazendo uma tatuagem na alma, e que isso não seria apagado mais. A experiência de fazer uma marca nascer, de ver pessoas acreditando naquilo que você propõe e muita gente comprando suas ideias é profunda e viciante.

Ficar por conta da firma

Meu primeiro dezembro empreendedor foi pura pindaíba, digamos. Mas foi libertador. Não tinha ninguém para cortar minhas asas, para me limitar o espírito e tal. Aí sim eu me senti empreendedora (com todo o ônus e bônus que se podia ter). Enfim, eu estava “por conta”.

O meu namorado, empreendedor de “nascença”, outro dia conversava com alguém que perguntou o que eu fazia. O diálogo foi assim:

Pessoa aleatória: – E você está trabalhando onde?
Meu namorado: – Em casa mesmo
Pessoa aleatória: – Ah, que legal, é bom ser empreendedor assim. E sua namorada, onde trabalha?
Meu namorado: – Em casa mesmo
Pessoa aleatória: – Ah, é dona de casa?

Não, cara pálida. Mulher é capaz de trabalhar em casa fazendo outras coisas além de “pilotar fogão” e lavar roupa, mané.

De fato, cada situação dessas que pulam no meu caminho desde que resolvi assumir essa vida de empreendedora me fortalece. Me tira mitos, me faz construir verdades e me motiva a continuar. Apenas continuar. Acho que estou mandando bem, e fazendo o melhor de mim.

Nesse sábado bacana que eu tive me deram a oportunidade de contar minha história de vida para um grupo de jovens interessados em empreender e/ou intraempreender. Do fundo do meu coração, espero que confiem muito em suas ideias e construam projetos lindos e de sucesso. E é importante falar que sucesso significa, em várias situações, fracasso. Os erros são mensagens, e a gente precisa acolhê-los em busca do aprendizado. É só assim que a gente redescobre o mundo e constrói a realidade que escolhemos para nós mesmos.

Se eu pudesse voltar ali no ano passado e dar uma dica para a Raquel, eu diria pra ela continuar confiante, e sem esse apego do status de um emprego. E com disse o Tim Ferris, ter muito trabalho não significa ser PRODUTIVO. No meu caso, pelo menos, eu busco é o fazer, o movimento, e não o acúmulo. Para mim, empreender é isso, mover o que eu acredito, no sentido que eu acredito ser o mais adequado :)

 

Responsabilidade social (media) e open data

Evento de mídias sociais da UNA, em Belo Horizonte

 

Recebi um convite bem especial da UNA, e topei falar sobre minhas peripécias de tentativas de melhorar o mundo através das novas tecnologias.

Quem me conhece sabe que sempre fui inquieta com relação à política, gestão pública e sobre o posicionamento que cada um de nós temos sobre tudo o que nos incomoda. Reclamar é fácil, mas e aí? O que a gente faz com isso? Como colocar em prática iniciativas, conhecimento e inspiração que realmente mova a sociedade para a melhor? As mídias sociais são, afinal, veículos capazes de transformar realidades? O meu palpite, sem dúvida, é que sim.

Nessa palestra eu falei sobre isso, contei do meu envolvimento com os temas de dados abertos (que cá entre nós, eu acredito muito que seja a matéria prima do nosso futuro), dos projetos de impacto que são criados por pessoas que simplesmente sentem paixão pelo que fazem e como pequenas iniciativas e posturas na hora de produzir conteúdo e usar as mídias sociais são capazes de transformar o mundo em um lugar um pouquinho melhor.

Compartilho aqui os slides da apresentação, que podem gerar insights e apresentar novos cases. Espero que inspire :)

Que tal um grupo de conversação de mídias sociais?

O que é bom tem que continuar =D
Já que foi tããão legal essa experiência de criar um grupo de conversação focado em Comunicação Digital e Mídias Sociais, o tal do Lhama Knowledge está com inscrições abertas de novo!

Na programação estão encontros que discutirão gamification, big data, estrutura de textos de notícias factuais, cases dos profissionais de Belo Horizonte e muito mais.

Veja a agenda =)

Grupo de Estudos de Comunicação Digital e Mídias Sociais

 

Ficou afim? Clique aqui agora, saiba mais e se inscreva.

Evento propõe que pessoas passem um dia sem acesso à internet, computador e celular

VivenciaForadeArea-folder1

Quanto tempo por dia você consegue ficar offline? Quantos encontros com amigos e almoços foram interrompidos pelo hábito de conferir o que há de novo no Facebook ou no Whatsapp?

Uma pesquisa realizada em 2014 mostra que 52% dos brasileiros ficam online diversas vezes por dia, o que comprova que a Internet se torna cada vez mais indispensável para todas atividades rotineiras.

Dos dispositivos usados pelos brasileiros dependentes das novas tecnologias de comunicação, o celular já garantiu espaço entre a maioria das pessoas. Os smartphones já ultrapassam computadores no quesito dispostivos mais usados. De todas as atividades nesses aparelhos, as redes sociais representam 35% das atividades realizadas nos celulares inteligentes do Brasil, de acordo com a pesquisa realizada pelo The Connected Consumer Survey, realizado em 2014.

grafico-uso-internet-usuarios

 

Marque na agenda: 26 de abril de 2015, domingo. De 9 horas às 18, em um lugar bonito perto de BH :)

 

Reinicie o seu jeito de olhar, sentir e de conectar-se

Pode até parecer irônico esse evento ser marcado pela web, mas estamos sim te convidando para ficar um dia offline e estabelecendo comunicações de outras formas com a vida.

A vivência, idealizada pela Lhama.me, quer proporcionar aos participantes um momento especial para estarmos presentes no presente, desconectados das mídias e do bombardeio de informações da internet. A ideia é desconectar-se da rede digital para estar conectado a você mesmo, com a natureza e com outras pessoas presentes.

Durante o dia, estaremos no meio da natureza e praticaremos exercícios de meditação musical, musicoterapia conversas, atividades e jogos cooperativos, praticaremos música de forma colaborativa e livre e, principalmente, estaremos presentes.

O preço é baratinho, dá para participar usando o desconto que faz o evento sair por 170 reais. Nesse preço está incluso transporte de ida e volta, trilha sonora feita com carinho, as dinâmicas da vivência que contam, inclusive, com uma cantora, almoço, lanche e muita interação <3

Mais detalhes aqui

Para se inscrever:

Valor promocional para pagamento até o dia 26/03: R$170,00
Valor após o dia 26/03: R$185,00
Pode ser feito através de depósito (Santander, Ag 3049 – CC 01006418-2 – Raquel Camargo) ou dividido no cartão de crédito através do Sympla.

Caso opte pelo depósito, favor enviar o comprovante com nome completo e telefone para raquel@lhama.me
 
*O Sympla cobra uma taxa de serviço para pagamento em cartão. Você pode optar em fazer o pagamento através de depósito bancário. Nesse caso, favor entrar em contato com raquel@lhama.me

Redes sociais para gastronomia: quais ingredientes para o sucesso?

Pensando nos nichos que podem potencializar seus negócios e trabalhos com as redes sociais, mas não dominam as ferramentas, métricas, técnicas e todos os demais paranauês que são importantes, eu e a Cínthia Demaria decidimos criar um curso para ajudar os profissionais da gastronomia.

redes sociais - gastronomia

 

Veja aqui os detalhes :)
Redes sociais para profissionais de gastronomia
Data: 15 de dezembro – de 9 às 17h
Local: Espaço Vila da Serra (próximo à Praça do Papa) – Belo Horizonte

Objetivo: Capacitar profissionais da área de gastronomia para usarem de forma adequada as Redes Sociais com intuito de garantirem credibilidade, confiança e encantamento do público.

Saiba sobre o que vamos falar:

– Onipresença digital: você está fazendo isso errado?
– Foco no conteúdo: qual o melhor tipo de publicação e quais técnicas de redação usar na hora de falar com seu público pela internet?
– Planejamento: medir para acertar: entenda mais sobre planejamento sazonal, com assuntos relevantes para o público de gastronomia e comportamento nas redes sociais.
– Atividades práticas com os cases dos participantes
– Técnicas de engajamento e Psicologia do Consumo
– Técnicas de storytelling

Valores:
Até dia 25 de novembro: 180 reais
Após dia 26 de novembro: 200 reais

Facilitadoras da troca de conhecimentos:
Raquel Camargo – jornalista, mestre em Estudos de Linguagens pelo Cefet-MG com projeto sobre apropriação Literária no Twitter, já trabalhou com redes sociais com personalidades como Eduardo Costa, Itamar Franco e marcas como UOL, Uni-BH e projetos do Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas.

Cinthia Demaria – jornalista, especialista em Mídias e graduanda em Psicologia, já trabalhou em diversas agências de publicidade e também atuou no setor de comunicação do Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas.

Você conhece alguém que precisa desse curso? Compartilhe esse post com ela, por favor! =D Todo mundo sai ganhando com profissionais de gastronomia que alcançam bem seus públicos =)

Para fazer inscrições, é só clicar aqui =)

Essa é uma iniciativa do Projeto Efusão, criado pela Cinthia e eu. Nosso objetivo é criar eventos, experiências, cursos e demais vivências que permitam o compartilhamento de conhecimento. Curtam no Facebook e acompanhem as novidades.